Já pensou ter uma bateria que dure quatro vezes mais

Perceber que a bateria de seu notebook, celular ou outro equipamento eletrônico está acabando causa certo desespero em determinadas situações. A resposta é automática: pegar o carregador e achar a tomada mais próxima! A gente nem percebe, mas a vida sem as baterias dos nossos eletrônicos seria muito difícil. Já pensou em ter baterias que durem bem mais?

É isso que a indústria vem pesquisando, por alternativas viáveis para substituir as baterias de íon de lítio (Li-íon), esta tecnologia que já existe há muitos anos no mercado e mostra um nível de maturidade que a torna segura para ser usada em qualquer tipo de dispositivo. Mas, a ideia é ter uma bateria mais potente e que consiga armazenar a energia por mais tempo.

Bateria de li-íon de 6 células

As baterias de lítio-enxofre (Li-S) são consideradas como a melhor candidata para substituir as Li-íon devido à sua alta densidade de energia, que é mais de 4 vezes a capacidade das baterias de padrão comercial de Li-íon ocupando o mesmo espaço de uma bateria convencional.

Além disso, as baterias de lítio-enxofre apresentam uma perda energética muito menor com o passar do tempo, o que permitirá passar anos com o mesmo smartphone sem sentir uma perda considerável na autonomia do mesmo.

Contudo, observam-se alguns problemas, como: as baterias Li-S enfrentam dificuldade em garantir a segurança no funcionamento quando sujeitas à altas temperaturas, isto é devido ao baixo ponto de ebulição e de explosão. Para resolver esse problema, investigadores da Universidade de Western Ontario, em colaboração com a empresa Canadian Light Source, têm desenvolvido uma técnica de revestimento chamada de deposição de camada molecular (MLD), que promete levar as baterias de Li-S à altas temperaturas mas de forma segura e duradoura, sem riscos de explosão e vazamento.

Tal camada (MLD) diferencia-se da técnica anterior porque permite incorporar componentes orgânicos nas películas, tornando possível a criação de películas híbridas finas orgânico-inorgânico. Esta técnica fornece um elevado nível de controle sobre a espessura da película e da composição química dos materiais a uma escala molecular.

Esquema do MLD revestido C-S e o desempenho do ciclo em alta temperatura da baterias Li-S.

Nos testes realizados, os pesquisadores constataram que os elétrodos revestidos de MLD de carbono-enxofre ficaram estáveis e com melhor desempenho em temperaturas até 55ºC. Com estes valores, os pesquisadores esperam que a vida útil das baterias Li-S seja significativamente prolongada, o que melhoraria a autonomia de vários equipamentos dependentes do armazenamento de energia, como os notebooks e celulares.

Vamos torcer para que essa nova bateria chegue logo nos nossos eletrônicos 😉

Fonte: Canadian Light Source